Arquivo da Categoria ‘Posts’

janeiro 8th, 2012

Indiana Jones and The Power of Linguistics

20120108-232601.jpg

Understanding the origin of words is a key to power

By Allen Quetone

TheAndrewMeyer.com Contributor

Dusty catacombs crawling with vermin and concealing mysterious treasures. Hidden passages unlocked to reveal certain death or immense fortune. Ancient myths and legends leading to all the secrets of the human race. The study of linguistics has always been dangerous. Many would have you believe it’s study will lead to death by boredom. The benefits of linguistics are definitely not emphasized enough in our profit driven world.

The average citizen is driven to study languages like political rhetoric, popular jargon, and financial nomenclature in order to stay afloat in a highly competitive workforce. Many lose their frame of mind and become virtual clones by thinking in these languages of “mass communication.” As billionaire Karl Albrecht puts it, “change your language and you change your thoughts.” In addition to the bombardment of these evolving pseudo-languages, students at an earlier age also face the pragmatic pressures of pursuing fields of study that yield better salaries. Pay for Engineering, Science, Finance, and Business is thought to trump the “softer” liberal arts, whose study often conjures the image of coffee barista at the end of its path. While it may seem an impractical, outdated, and archaic field of study, linguistics opens the locks to treasures in every field that attempts to discredit it.

The emphasis on linguistics in the Indiana Jones saga seems a fitting tribute to the power this tool can bring to its user. While Indiana Jones’ heroics and knowledge of history play key roles in his success, his understanding of language and the origin of words allow his adventures to end at the source of the treasures he seeks. The knowledge of the origins and etymology of words is indeed a treasure map to meanings and the power they possess.

English is one of the richest sources of wisdom and knowledge in the world. Prior to its rise to the most popular language in the world, English was influenced by almost every spoken and written word. The verdant and fertile island in which it originally took root was always the target of invasion and war. The Romans, Francs, Norse, and Germanic Tribes all took their shots at dominance over the isle. Along with their swords these conquerors brought their language, cultures, and previous conquests. Far from domination, these invaders instead enriched the land and people with almost all of the combined knowledge of the ancient world. For this reason, English’s primary contributors are Latin, French, and the early Germanic Languages. The story of English is actually quite universal. The roots and keys to understanding every language in existence can be found by looking to the ancient empires that sought to subjugate them. For this reason Latin, Greek, Chinese, Persian, Arabic and Sanskrit are the principle contributors to all thoughts in the world.

Exploration of these roots can yield forgotten truths even in everyday life. Words and actions we take for granted often reveal their true purpose when we mind their origins. The word chair is derived from the Old French word chaiere and the modern French chaire meaning “throne or pulpit”. This draws light on the importance of the object and words such as Chairman and even explains why those who sit when they work often make more than those who must stand. Even our terms for recent inventions and innovations have their roots in the ancient past. The word car is derived from the Latin carrum “two wheeled chariot”. Even the trending word on the American mind, job has a telling past. Originally from the French gob meaning “mouthful”, it was coined as a reference to obtaining enough work to feed oneself. Money is derived from the Latin moneta meaning “mint or coined” referring to the location of their primary mint near the temple of Moneta or Juno. Even the word bank derives it’s meaning from the Germanic word bank meaning “bench or table”, referring to the table or bench where the original modern bankers did their business in Renaissance Italy.

Even the days of the week reveal our connection to the ancient world and the gods they revered. The English words for the days of the week are derived from the Germanic gods that they were devoted to. Interestingly the Germanic gods corresponding with each day almost perfectly align themselves with the gods the Roman’s equated with each day. Sunday and Monday are devoted to the Sun and Moon respectively with those being the most important heavenly bodies to the ancient world. Tuesday is Tiu’s day, the Germanic god of war. Wednesday is Woden’s day, the leader of the hunt. Thursday is Thor’s day, the Norse god of thunder. Friday is Freya’s day the Norse god of Love. Saturday is Saturn’s day, this is actually unchanged from the Roman equivalent and is devoted to Saturn the roman god of agriculture and the ruler of earth during the golden age. A look at the Spanish (Latinized) days of the week reveals the same.

English Spanish Relevant Information
Sunday Domingo The Latin word for lord is dominus

Monday Llunes The Spanish word for moon is luna

Tuesday Martes The Spanish word for Mars is Marte
Wednesday Miercoles The Spanish word for Mercury is Mercurio

Thursday Jueves The Spanish word for Jupiter is Jupiter

Friday Viernes The Latin word for Venus is Veneris
Saturday Sabado The Latin word for Sabbath is sabbato

The scientific field of medicine also shrouds many of it’s secrets in Latin nomenclature. Almost all of the technical terms in medicine are verbatim Latin words for the parts of the body they define. Scapula means “shoulder” in Latin. Femur means “thigh” in Latin. Fibula means “fasten with a clasp” in Latin. Anatomy Class is basic Latin vocabulary. The law profession uses the same Latin inspired nomenclature for it’s terms. Habeas corpus means “To Possess a body,” jurisprudence means “prudence of law”, Per diem means “per day”.

The study of languages and their roots can yield instant understand of terms in fields foreign to you and even to in languages never you’ve never encountered. It can reveal truths behind those you thought we just discovered. It will show you what you were looking for and it will show you things you didn’t know you were looking for. Thinking past the words that you are bombarded with and understanding every word you come across lets you play by your rules, not by the words manufactured for you. Choose your words, and you can control your thoughts. Control your thoughts, and you determine your own reality. Choose wisely.

http://www.theandrewmeyer.com/?p=481

RSS 2.0 feed.

Categorias: Posts, etymology, linguistics

dezembro 19th, 2010

Entrevista com Josje Zuurbier

Minha querida aluna holandesa Josje Zuurbier morou no Brasil por 4 anos.  Aproveito a ocasião de sua última aula de português para entrevistá-la.

1212Galaor: Como foi seu ritmo de vida no Brasil?

Josje: Me ocupei com as aulas de português, aulas de pintura, clube de fotografia, tocar saxofone. Me diverti com brasileiros e holandeses morando em Piracicaba, viajando com meu marido e nadar em nossa agradável piscina.

Galaor: Como seu português e seu entendimento sobre nossa cultura se desenvolveu com o passar dos anos?

Josje: No começo, não falava nada de português, mas agora depois de 4 anos, eu me viro bem com o básico da língua. Eu conheci um pouquinho da cultura, mas me surpreendi de vez em quando com as novidades, como por exemplo, marcar compromissos com brasileiros às vezes não dá certo.

Galaor: Por favor, compare brasileiros e holandeses.

Josje: Eu acho que os brasileiros são muito alegres e abertos, já os holandeses são um pouco mais formais.

Galaor: Quais lugares no Brasil você conheceu, para onde quer voltar e para onde que ir?

Josje: Conheci muitos lugares do norte, oeste, mas não do sul. A única cidade que eu fui do sul foi Curitiba, gostaria muito de conhecer Florianópolis. Gostaria de voltar para Salvador, porque é uma cidade onde há uma grande mistura de várias culturas.

Galaor: O que você reconhece como influência holandesa no Brasil?

Josje: Fui a Holambra, onde eu constatei os costumes holandeses. O folclore, o “veiling” que significa leilão de flores.  Nós encontramos em Recife, alguns sinais da história da conquista dos holandeses do nordeste brasileiro, como fortalezas, casas e a as peles mais claras e os olhos azuis dos nordestinos.

Galaor: Do que sentirá mais falta? Do que não gostou? O que foi mais difícil?

Josje: Do que eu sentirei mais falta do Brasil será a vida ao ar livre. O tempo frio e os dias escuros durante o inverno da Holanda nos obrigam a ficar em casa. Não gostei das baratas e dos pernilongos!!! Foi muito difícil quando minhas amigas holandesas foram embora de Piracicaba. É muito bom ter pessoas que falam a mesma língua e tenham os mesmos costumes por perto.

Galaor: Josje, hoje é seu último dia de aula. Gostaria que você me contasse como se sente no último dia de aula após 4 anos morando no Brasil.

Josje: Galaor, é a última aula, mas não a última vez que eu vou encontrar você. Você é meu amigo e ficarei com isso. Você vai me visitar em Santiago no chile quando nós nos mudarmos para lá em 2011.

RSS 2.0 feed.

Categorias: Alunos, Posts

janeiro 3rd, 2010

A identidade do professor de inglês

QUEM É O PROFESSOR DE INGLÊS?

Comecemos pelo ideal. O professor de inglês deveria ter, além de consciência política, bom domínio do idioma (oral e escrito) e sólida formação pedagógica com aprofundamento em lingüística aplicada. Em número reduzido, temos profissionais bem formados dentro do perfil ideal que acabamos de descrever. A boa formação é, muitas vezes, fruto apenas de esforço próprio, pois os cursos de licenciatura, em geral, ensinam sobre a língua e não aprofundam conhecimentos na área específica de aprendizagem de língua estrangeira.

No entanto, dois grandes grupos de profissionais, que não se enquadram nesse perfil, compõem os dois extremos do conjunto de professores no Estado de Minas Gerais — de um lado, profissionais com fluência oral (a escrita muitas vezes deixa a desejar) adquirida através de intercâmbios culturais ou outro tipo de experiência no exterior e sem formação pedagógica; do outro lado, profissionais egressos de cursos de Letras (que lhes proporcionaram poucas oportunidades de aprender o idioma) e precária formação pedagógica. Os primeiros estão quase sempre nos cursos livres de idiomas e os segundos nas escolas de primeiro e segundo graus.

Para piorar a situação, o mercado não avalia a formação pedagógica do futuro profissional. Os concursos de magistério, na rede estadual e em muitos municípios, aboliram a prova didática. Os futuros mestres são avaliados por uma prova de múltipla escolha, muitas vezes mais simples do que a prova de língua inglesa do vestibular da UFMG, que é considerada fácil. Nos concursos, quando muito, há uma redação, mas o desempenho oral é ignorado. Ainda é comum que professores com dupla licenciatura (português-inglês) concursados para português sejam pressionados a completar sua carga didática com “aulinhas”de inglês, pois as escolas precisam cobrir a falta de professores por motivos diversos.

QUAL É A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA?

Talvez a melhor pergunta seria “Qual é a de/formação do professor de língua inglesa?”

Examinamos programas de língua inglesa de 7 faculdades do interior de Minas Gerais, atualmente integradas à Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), e o resultado é indicativo da precariedade da formação de nossos professores. Foram examinados programas elaborados nos anos de 1991 a 1993 e que estavam em vigor em 1994. Pudemos constatar o seguinte: Há um total descompasso entre os objetivos propostos e os conteúdos programáticos. Apenas um deles apresentava simetria entre esses dois pontos.

  • Alguns objetivos são confusos, mal redigidos e denunciam o despreparo do professor. Como exemplo podemos citar os seguintes:
  • Domínio das estruturas básicas do idioma, através do reconhecimento das transparências lexicais.
  • Conhecimento do idioma nos seus aspectos fonológicos, fonéticos e sintáticos, com finalidade prática, tendo em vista sua identificação como meio de comunicação oral e escrita.
  • Desenvolver a capacidade de ler, falar e escrever em seus aspectos literário, científico e técnico.
  • Contato com a cultura e a psicologia própria da Língua Inglesa.

Outros são genéricos como, por exemplo:

 

 

  • Estudos gramaticais: sistematizar de forma científica os fenômenos da língua oral e escrita.

Fica no ar a pergunta / O que é sistematizar de forma científica? A língua é vista apenas como um conjunto de hábitos, como demonstra o objetivo abaixo:

  • Criação de automatismos iniciais estruturais da língua falada e escrita.

O conteúdo dos programas se resume a itens gramaticais. O desenvolvimento das habilidades orais é ignorado. Em apenas três programas, encontramos o tópico conversação, mesmo assim, pudemos observar que, em um deles, a conversação não é vista como uma oportunidade de interação e sim como algo controlado e, em outro, como sinônimo de pergunta e resposta. Vejamos um dos objetivos.

  • Conversação em grupo e com toda a turma, dentro dos limites da matéria dada.

A menção às funções da linguagem é encontrada em apenas um dos programas. Apenas um programa faz menções à utilização de registros variados. A bibliografia é ultrapassada e predominam as gramáticas tradicionais e manuais didáticos para o segundo grau. Os programas de Prática de Ensino estacionam no final da década de 60 e Wilga Rivers (1968), traduzido em 1975 ainda é o carro chefe. Apenas um dos programas apresenta em sua bibliografia, ainda bem tímida, textos mais recentes de autores brasileiros como Célia Figueiredo de Universidade Federal de Uberlândia e Lynn Mário da USP. Alguns cursos adotam, no curso de Letras, livros escritos para o Segundo Grau. Percebe-se ainda o controle absoluto do professor no processo de ensino-aprendizagem. Podemos exemplificar com os objetivos abaixo:

  • Expressão oral: reproduzir o assunto de um texto apresentado oralmente, após ter sido o mesmo trabalhado em debates.
  • Expressão escrita: desenvolver, dentro de diretrizes fornecidas, em assunto proposto em um texto de aproximadamente 250 palavras.

Será que as universidades federais preparam melhor? Suspeito que não, pois a ênfase maior nos currículos é no conteúdo e não há muita preocupação com a formação específica do professor. Além disso, há problemas com a formação pedagógica dada em outro departamento, algumas vezes, sem diálogo com os departamentos de línguas estrangeiras.

QUAL É A IDEOLOGIA DO PROFESSOR DE INGLÊS.

Já se pode perceber uma certa preocupação, por parte dos professores, em discutir com seus alunos questões ideológicas ligadas ao ensino da língua inglesa. Para algumas, pessoas o ensino de inglês é visto como instrumento de alienação, e os nos objetivos abaixo, retirados de programas da UEMG, encontramos uma proposta de discussão dessas questões.

  • Procurar desenvolver o conhecimento da matéria concomitante á consciência de que o estudo de uma língua estrangeira não é apenas mais um elemento de alienação, e desta forma integrá-lo às outras áreas, para quebrar a idéia ou conceito de que a escola “molda”o aluno, mas o contrário, permite que ele desenvolva, amadureça de acordo com suas potencialidades.
  • Debater e refletir o papel da Língua Inglesa como instrumento de libertação e/ou alienação sócio-cultural.

Pesquisa realizada por Bastos (1988), com professores de 3 institutos de língua e de 2 escolas da rede particular de Belo Horizonte, investigou a atitude dos professores – postura colonizada ou não – e qual é a imagem que eles têm dos países onde a Língua Inglesa é falada. Em suas conclusões, ela afirma que os alunos se mostraram menos colonizados que seus professores e que os professores dos institutos se mostraram “explicitamente” mais colonizados do que seus colegas das escolas particulares. No entanto, os dados, por ela analisados, são insuficientes para que façamos generalizações.

EM QUE MITOS O PROFESSOR DE INGLÊS ACREDITA?

A escola secundária, especialmente a pública, não é competente para ensinar línguas estrangeiras.

 Não sabem nem português, para que aprender inglês é o preconceito vigente contra as classes populares. Despreza-se o dialeto não-padrão e acredita-se que o ensino do inglês deve ser privilégio das elites. Em minha pesquisa de doutorado, comprovei essa hipótese até na música popular, onde encontramos, por exemplo, Carmen Miranda cantando “Alô, alô, alô boy /deixa essa mania de inglês/fica tão feio pra você moreno frajola/ que nunca freqüentou os bancos da escola”.

O curso livre é o lugar para se aprender língua estrangeira.

 O senso comum reforça esse mito. Em reportagem publicada no Estado de Minas de 30 de abril de 1995, encontramos a seguinte afirmação:

A abertura do mercado para os cursos de inglês foi estimulada pelo próprio sistema oficial de educação, tanto nas escolas públicas quanto privadas. “O ensino de inglês nas escolas sempre foi muito ruim e não teve nenhuma melhora. Exige-se muito e ensina-se mal. Professores teóricos saem das Faculdades de Letras e repetem os mesmos erros: ensinam a traduzir, não ensinam a falar, que é a base para aprender a ler e a escrever”, sentencia Márcio Mascarenhas.

 

O espaço do curso livre está reservado para a elite econômica, pois as classes populares não têm como financiar seus estudos. Além disso, as elites não querem se misturar aos pobres. Na reportagem já citada, encontramos a seguinte afirmação:

O diretor do Mai (sic), Paulo Coutinho, acredita “que a popularização é perigosa e a escola tem que ser cara”. Sonilton de Barros emenda que é de elite porque “no Brasil onde a massa populacional ganha um salário mínimo, só a elite tem direito ao consumo.

 

 Sem equipamento audiovisual é impossível desenvolver um bom curso.

 Esse mito ignora tanto o sucesso dos aprendizes que estudaram o idioma antes do advento dos equipamentos quanto a possibilidade de se montar um bom curso com criatividade e poucos recursos.

A língua estrangeira é importante apenas para os alunos que irão para a universidade.

 O curso secundário em vez de se preocupar em formar o cidadão, preocupa-se em prepará-lo para o vestibular. Em vez de se estabelecerem objetivos básicos para a formação do indivíduo de capacitar o aprendiz a utilizar a língua para tarefas orais e escritas simples, tais como preencher formulários, cupons, subscritar envelopes, cumprimentar, apresentar-se, etc., que seriam perfeitamente possíveis dentro da escola secundária, pretende-se ensinar apenas a gramática ou a leitura, transformando a aula de inglês em uma tarefa inútil e desestimulante.

O material didático é o grande responsável pelo insucesso das aulas.

 

A maioria dos professores se sente preso ao material didático, que normalmente lhe é imposto pela escola, e não se julga capaz de produzir material próprio. A pressão do material didático é tão forte que cumprir o programa passa a ser sinônimo de esgotar o livro. Os depoimentos que se seguem comprovam alguns desses mitos.

 

(1) As provas de inglês estão muito bem elaboradas, mas achei difícil para o nível de nossos alunos. Nossos livros didáticos são muito repetitivos e voltados para a gramática pura e simples. (…) Moramos numa cidade muito pequena, nossos alunos em sua maioria de nível baixo e não têm oportunidade de conviver com pessoas que falam Língua Estrangeira. Por isso, não valorizam o Ensino de Língua Inglesa e o interesse é mínimo. Em nossa escola o número de alunos que saem do 3o ano Científico e têm condições de continuarem a fazer uma faculdade é mínimo. Nos falta recursos audiovisuais e na cidade não existe cursinhos. (…) (2) As provas da UFMG atendem aos objetivos propostos. Notamos que os textos são curtos e as questões objetivas. A nossa realidade (Escola Pública) não atende, ou seja, não está voltada para o preparo do Curso Científico pois, a carência de referencial e do material didático deixa a desejar.

COMO O PROFESSOR DE INGLÊS SE VÊ NA SOCIEDADE BRASILEIRA?

Perguntamos à um grupo de professores do 2º grau em reunião com a equipe de vestibular da UFMG, no dia 3 de maio de 1995, qual é a importância do professor de língua inglesa na sociedade brasileira. A análise das respostas, que foram dadas por escrito, revelou que os informantes atribuem grande importância ao idioma no que diz respeito à comunicação e à troca de experiência com o resto do mundo. Dois professores usaram a metáfora abrir uma janela para o mundo para realçar a importância de se aprender/ensinar inglês. Outro disse que o papel do professor é fazer com que as pessoas não se tornem pessoas isoladas do contexto mundial. Houve quem fizesse referência ao fato do mundo ter se tornado uma aldeia global e do inglês estar invadindo todas as áreas da cultura brasileira. Um dos professores disse que o papel do professor de inglês na sociedade é instrumentalizar o aluno para que ele possa entender e interpretar música, outdoors, propagandas, silks de camisetas, etc, já que nossa sociedade sofre tal influência da língua inglesa. Houve quem se lembrasse de que qualquer profissional, em qualquer área necessita do inglês.

Apesar de toda essa conscientização quanto a importância do idioma que ensinam, os professores reclamaram da discriminalização que sofrem nas escolas. Segundo eles, a língua inglesa é uma disciplina de segundo plano, com pouca carga horária. Reclamam de que matérias como física e química são privilegiadas e de que os próprios colegas os menosprezam.

Alguns disseram que são pressionados a aprovar os alunos. No caso do professor ser mais exigente, é taxado de imperialista, anti-nacionalista, disse um deles. Reclamaram também das condições materiais e disseram que o aluno deve freqüentar cursos livres, aonde (sic) ele tenha oportunidade de praticar o inglês fora da escola, e desta forma, aumentar o seu conhecimento lingüístico. Acreditam, também, que são os cursos livres que preparam melhor aqueles que teoricamente estão interessados em aprender a língua inglesa.

QUE CONFLITOS VIVEM ESSES PROFESSORES?

O primeiro grande conflito é ensinar uma língua que eles não falam e que não têm oportunidade de praticar. O segundo diz respeito aos desejos dos aprendizes e aos objetivos do curso. Os alunos em geral querem falar, mas o professor ensina gramática e, quando muito leitura. O terceiro conflito diz respeito à importância do idioma. Ao mesmo tempo que o professor acredita que é importante aprender inglês, ele tem que conviver com a desvalorização da disciplina. Em algumas escolas a língua estrangeira não recebe o mesmo tratamento no que diz respeito à avaliação e a carga horária é muito pequena.

PROPOSTA DE AÇÃO

Acreditando que podemos minimizar os problemas aqui enfocados apresentamos algumas propostas de ação.

  • Educação continuada de professores, incluindo projetos de educação à distância e criação de Self-access Centers nas Faculdades de Letras abertos aos professores da comunidade.
  • Reformulação dos currículos para que se possam incluir disciplinas de Lingüística Aplicada ao ensino/aprendizagem de línguas estrangeiras.
  • Criação de associações de professores. Criando poder de pressão poderemos não só forçar as Secretarias de Educação a repensar os concursos como também questionar a eventual distribuição de aulas de inglês para professores não concursados. Essas associações poderiam, além de congressos, como este, promover cursos de reciclagem em cooperação ou não com outras entidades.
  • Criação de bancos de material didático nas associações e nas escolas.

Enfim, apenas detectar problemas não ajuda muito. Precisamos pensar juntos o que todos nós podemos fazer para minimizar as questões que nos incomodam.

*

Vera Lúcia Menezes de Oliveira e Paiva é professora titular da Faculdade de Letras da UFMG e pesquisadora do CNPq. Atua na Graduação e na Pós-Graduação, nas linhas de pesquisa em “Estudos em Línguas Estrangeiras: Ensino/Aprendizagem, Usos e Culturas” e em Linguagem e Tecnologia. (http://www.veramenezes.com/identidade.htm)